LUPPA NEWS

domingo, 22 de setembro de 2013

"Quebraram o maior acionista do Banese: o Estado!”, responde Venâncio

O líder da bancada de oposição na Assembleia Legislativa, deputado estadual Venâncio Fonseca (PP), ocupou a tribuna na manhã do último dia 19/09, para sair em defesa do prefeito de Aracaju, João Alves Filho (DEM), que na sessão de ontem (18/09) foi duramente criticado pelo também deputado Francisco Gualberto (PT) sobre a retirada da folha de pagamento dos servidores públicos do município do Banco do Estado de Sergipe (Banese).
 Venâncio, que preside a União Nacional dos Legisladores e Legislativos Estaduais (Unale), justificou a ausência na quarta-feira porque tratava de assuntos da entidade em Brasília (DF) e do Partido Progressista. Venâncio iniciou seu discurso fazendo a defesa direta do prefeito. “Agora João Alves é inimigo do Banese? Vai quebrar o Banco? Quem cobra de João Alves agora são as mesmas pessoas que quebraram o Estado de Sergipe! Faliram o nosso Estado! Pegaram um governo equilibrado, com R$ 800 milhões em dívidas. Hoje já passa dos três bilhões! Agora, por questões políticas, querem atribuir ao prefeito o título de inimigo do Banese. Um homem que foi governador por três mandatos e sempre tratou o Banco dos sergipanos com carinho, respeito e bastante responsabilidade”. 
 Em seguida, o líder da oposição continuou repudiando o discurso que de que o democrata quer “quebrar o Banese”. “Em Nossa Senhora do Socorro, o deputado Zé Franco (PDT) fez quando foi prefeito de lá a alteração. O Banese não demonstrou interesse e outro banco quis. O dinheiro ajudou muito Socorro. Agora o Banese é uma instituição financeira e não quer a competitividade? Será que esses que estão reclamando deixam suas aplicações no banco dos sergipanos? Será que quando vão tomar algum dinheiro emprestado, o fazem com a taxa de juros do Banese? O Banese que é um patrimônio do povo sergipano tem que se adequar a competitividade do mercado”. Venâncio prosseguiu citando o deputado estadual Zezinho Guimarães (PMDB), como um banesiano que conhece as regras financeiras e da competitividade. “O Banese tem que se adequar e parar com esse jogo sujo de querer desqualificar as pessoas. A proposta da Prefeitura de Aracaju foi feita através de um edital e foi logo apresentada ao Banese. Não deram a mínima! Desdenharam e agora, com tudo sendo feito dentro da lei, o Banese que participe da concorrência. Falam dos R$ 40 milhões, que não têm. Agora, se o Banese não desse R$ 8 milhões ao empresário conhecido por Carioca (leia Transur), já tinha uma parte do dinheiro”. “De um contrato de R$ 12 milhões, deram R$ 8 milhões a Carioca e a Justiça mandou anular o contrato. E Carioca vai devolver esse dinheiro? O Governo tem que dar uma satisfação à sociedade! Aqui sim é um escândalo! Deixaram um rombo superior a R$ 60 milhões do Banese Card e vêm com acusações para desgastar o prefeito de Aracaju? Agora, por trás, ficam querendo um acordo político com o Negão! O Banese está no mercado e tem que disputar com os demais bancos em igualdade de condições. Para isso tem que emprestar dinheiro com juros iguais aos dos outros bancos, por exemplo, e não querer se apossar das contas dos sergipanos sem dar retorno algum”, completou o líder da oposição. 
 Venâncio foi ainda mais longe quando comparou a relação do Banese com a PMA na gestão de Edvaldo Nogueira (PCdoB). “Liberaram R$ 750 mil para Edvaldo fazer o Forró Caju. João assume e queriam dar, segundo informações, R$ 15 mil? Eu nem recebia! Se o Banese quebrar a culpa não é da Prefeitura de Aracaju até porque nenhum servidor pode ser obrigador a retirar suas contas de lá. Agora se o Banese quebrar, a culpa vai ser de quem empresta R$ 8 milhões a Carioca. Sabe quando ele vai devolver esse dinheiro? Nunca! O dinheiro sumiu! Passaram a mão no dinheiro do Banese! Isso é fruto de um governo incompetente. Não quebraram o Banco, quebraram o seu maior acionista: o Estado”. Por fim Venâncio disse que querem inviabilizar a Prefeitura de Aracaju e não anunciam a proposta de reajuste dos servidores públicos do Estado. “Paguem o que devem a Saúde de Aracaju! São R$ 20 milhões! Querem é desgastar o Negão! Agora por trás ficam bajulando em busca de um acordo. Essa é a verdade! Várias prefeituras já negociaram suas contas e o banco não quebrou! Por que o Banese não entra na concorrência? Não têm é competência! Gastaram R$ 50 milhões para informatizar o banco, sendo que com apenas R$ 5 milhões, segundo uma auditoria, resolvia o problema. E os R$ 45 milhões? Isso o Banese tem que explicar e não querer fazer acusações infundadas”. “Eu preveni ano passado: bateram no Negão de deixar fofo! Perderam a Prefeitura de Aracaju. Agora continuam batendo. Vão perder o Estado também. Ninguém suporta tanta incompetência administrativa. O Estado está de fazer pena! Agora tiveram uma arrecadação recorde agora. Foi o Estado que mais arrecadou e não tem dinheiro para nada! O que estão fazendo com esse dinheiro? É claro que com clientes como Carioca o Banese só pode quebrar! Com clientes do Credicard da Paraíba e de Alagoas então! O Banco Central já detectou! Agora o servidor público continua sem o aumento desse ano. Querem desviar a atenção? Quem quebrou o Estado não tem moral para criticar o prefeito de Aracaju”, completou Venâncio Fonseca. Aparte – O deputado Antônio Passos (DEM) disse que seguia o raciocínio de Venâncio Fonseca no aparte e defendeu o prefeito de Aracaju. Ele disse que R$ 40 milhões, bem investidos, dá um grande alívio ao caixa da PMA, que ganha tanto em obras quanto em bons serviços. “Para o Estado de Sergipe, com uma receita de R$ 600 milhões, R$ 40 milhões é pouco. O Banese deve ter uma reserva financeira de alguns bilhões. Não era nada demais que todas as prefeituras promovesse o leilão de suas contas para todas tivessem uma fatia. Esperamos que o Banese também participe da concorrência e se chegar com os 40 milhões ou mais, vai ser muito bom. As alternativas que vão surgindo o prefeito tem que fazer, caso contrário, vai passar quatro anos na PMA sem apresentar nada”. 
 Da Assessoria de Imprensa